Pastorais

“Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão de pecados” (Colossenses 1.13-14).
Deus é o autor da nossa salvação. Foi Ele quem tomou a iniciativa de enviar o seu Filho para morrer na cruz em nosso lugar. Jesus é o Cordeiro que foi morto para que, através do seu sangue, pudéssemos ser salvos da ira de Deus, da escravidão do pecado, do domínio de Satanás e da condenação eterna. Olhe para Jesus. Ele é o Cristo exaltado. Ele é o criador e mantenedor de tudo. Ele é tudo em todos. Ele é o único caminho para Deus, a única verdade absoluta e universal e a única fonte de vida física e espiritual. Ele é o único salvador. Pedro declara: E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12).

Fora de Jesus não há possibilidades de salvação. Foi Ele quem morreu na cruz e pagou o preço da sua salvação. Não há salvação em nenhum outro. Ainda que você admire a Buda, Maomé, Alan Kardec ou qualquer outro líder religioso, nenhum deles morreu por você ou foi escolhido por Deus para ser o salvador. Jesus é o único mediador entre Deus e o homem.
Paulo explica a salvação como uma operação resgate: Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão de pecados (Colossenses 1.13-14). Três lições:

Primeiro, Deus é o autor da Salvação.

Deus é o autor ou o sujeito desta ação de resgate: “Ele nos libertou”. A salvação é, portanto, um ato soberano e intencional do Senhor. Paulo ensinava claramente que o plano da salvação era uma iniciativa divina: Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação (2Coríntios 5.18). Deus liberta, transporta, perdoa e reconcilia pessoas usando a instrumentalidade de outras pessoas. Cada cristão é um ministro da reconciliação ou um embaixador em nome Crista (2Coríntios 5.20).

Segundo, a Salvação é um Resgate ou um Traslado.

“Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor”. O verbo libertar (ruomai) no grego significa salvar, libertar de algum tipo de servidão ou escravidão. A palavra império significa autoridade ou poder. Deus nos libertou do poder, da autoridade e do domínio de Satanás, o deus deste século (2Coríntios 4.4). “Ele nos transportou”, isto é, remover, transferir e conduzir em traslado. Este transporte é comparado a uma remoção ou migração de um povo, após uma grande vitória. Este traslado tem quatro características:
– É um traslado do poder de Satanás para o senhorio de Jesus;
– É um traslado do império das trevas para o reino da luz;
– É um traslado da escravidão para a liberdade (redenção);
– É um traslado da condenação para o perdão ou remissão de pecados (Romanos 6.20-23).

Terceiro, o Resgate fundamenta-se na obra de Jesus Cristo

“Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão de pecados”. Observe que Paulo destaca: no qual temos a redenção, isto é, nossa libertação pelo pagamento de um resgate. Ele pagou o preço da redenção. A ideia é de um mercado romano onde escravos humanos estão sendo vendidos. Deus vem a esse mercado e compra muitos escravos, pagando um alto preço. Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento, que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de CrIsto (1Pedro 1.18-19). Deus nos resgatou enviando-nos Jesus. Ele morreu na cruz por nós e ressuscitou por causa da nossa justificação.

A obra da salvação pode ser resumida da seguinte maneira: Deus nos libertou, Deus nos transportou e Deus nos redimiu.

1 comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário