Powered by Rock Convert

Tenho há alguns anos o objetivo de conscientizar Igrejas sobre a importância dos sistemas de som e como tentar minimizar os problemas técnicos que tenho visto com frequência pelo Brasil, principalmente quando ministro treinamentos e workshops. Na maioria das vezes esses problemas seriam facilmente corrigidos se dentro da congregação houvesse pessoas com um conhecimento melhor sobre sonorização. Essa falta de conhecimento resulta em problemas que afastam visitantes, provocam desconforto nas pessoas e, principalmente, distorcem a mensagem ali passada!

Muitos dos problemas de som que me relatam por aí, na verdade, não tem a ver com o sistema de som e sim com o despreparo, ou às vezes até mesmo com o descaso, por parte das pessoas que utilizam de alguma forma o sistema, como palestrantes, músicos ou apresentadores.

Manuseio correto dos microfones, passagem de som bem executada, ensaios frequentes da equipe de música, exercícios vocais para melhorar a dicção e manter os instrumentos sempre afinados permitem com que o som final seja melhor porque a origem tem maior qualidade. Se a fonte sonora não estiver boa não tem como a mixagem final ficar boa. Mesa de som, infelizmente, não faz milagres. Se ela fizesse, já estaria beatificada! hehehe…

Reforçar o som, este é o ponto

O problema que, de longe, mais ouvi reclamações até hoje diz respeito a excessos ou (raramente) de falta de volume no som das Igrejas que visito.

O termo em inglês Sound Reinforcement System, que é traduzido por Sistema de Reforço Sonoro, é o que melhor define a função de um sistema de sonorização. Reforço! Não significa aumentar ou diminuir. Significa reforçar!

O excesso de volume pode causar estresse, interferir na comunicação oral, perturbar o sono, impedir a concentração e aprendizagem, causar perda de audição e até mesmo causar infarto. De acordo com relatório da OMS, anualmente, cerca 210 mil pessoas morrem de infarto causado por sons elevados.

Segundo o Anexo I da NR15, existe um tempo limite de tolerância a cada nível de pressão sonora que podemos nos expor diariamente sem que haja qualquer tipo de danos à audição. Para um culto de aproximadamente duas hora de duração, por exemplo, a máxima exposição contínua saudável é de 95 dBA. Um evento que atinja os 100 dBA, podemos nos expor por uma hora, enquanto a 85 dBA podemos nos expor por oito horas seguidas.

avivamentoPowered by Rock Convert

O uso do decibelímetro

Para sabermos quão alto está o volume precisamos utilizar um equipamento específico para esta finalidade, o Sonômetro, popularmente chamado de Decibelímetro. Trata-se de um equipamento utilizado para medir os níveis de intensidade do som que consegue representar bem a sensação auditiva de volume.

Os Sonômetros estão disponíveis em diversas marcas e modelos, variando de R$ 60 a mais de R$ 1.500,00 mas, para quem preferir, existem diversos aplicativos gratuitos para smartphones e tablets que funcionam bem.

Para conseguir utilizar de forma efetiva o Sonômetro lembre-se sempre de registrar as medições com o mesmo equipamento, na mesma posição, no mesmo local e só assim você criará um padrão para a sua medição. O local da medição precisa, necessariamente, ser onde o público está. Nem tão próximo às caixas de som e nem tão distante.

Para definir um volume padrão para o microfone do pastor, por exemplo, podemos usar como referência a medição de volume no momento da leitura bíblica em conjunto pela congregação (sem a utilização de microfones) e para definir o volume padrão dos momentos onde a banda completa toca, acrescentar de 10 a 15db (decibéis) no valor de referência para o microfone do pastor já representará um volume bom.

Os maiores vilões para o volume alto em igrejas

Os maiores vilões para o volume alto nas Igrejas são as baterias acústicas, os retornos no chão do palco e os amplificadores pessoais de instrumentos. A realidade nos comprova que os níveis de palco podem facilmente exceder os níveis das caixas principais em ambientes de pequeno e médio porte. Um passo importante para a diminuição deste nível de volume é estabelecer um acordo entre músicos e operadores de som para que a intensidade da bateria seja reduzida, que os músicos se disponibilizem a se escutar menos no retorno e também aceitem reduzir o volume dos amplificadores.

Outros caminhos a serem adotados e que surtiram resultados evidentes são a adoção de sistema de retorno por fones de ouvido, aproximar mais os retornos de chão e amplificadores em direção dos músicos, direcionar os amplificadores de instrumentos para os ouvidos dos músicos (e não para seus joelhos), reduzir o número de fontes emissoras de som no palco e também adotar o uso de baterias eletrônicas.

Deixo aqui externado o meu incentivo às Igrejas a buscarem capacitação através de cursos, livros e principalmente com a troca de conhecimento entre outros voluntários de equipes de som de Igrejas próximas. Realizem treinamentos e práticas que simulem situações reais a fim de desenvolver as habilidades técnicas e agilizar a resolução de problemas em momentos de culto.

Espero que este material tenha somado em sua vida e que sirva de benção em sua comunidade na proclamação do Evangelho.


Cadu Aranha
Cadu Aranha

Cadu Aranha é natural de Campinas/SP, casado, pai de 2 filhos. Pós-graduado em Fotografia e Audiovisual, formado em Produção Musical. Técnico de áudio com experiências em grandes shows e eventos trabalhando no SESC/SP entre 2010 e 2013, sob o DRT nº 4138/SP e membro associado da AES. É responsável por equipes de som e de transmissão ao vivo em Igrejas de São Paulo desde 2013. Ministra cursos e treinamentos de sonorização pelo Brasil desde 2015. Proprietário da OitoSet, uma produtora cultural que desenvolve eventos e projetos audiovisuais para Igrejas, bandas e empresas. Fundador da Audio Web Academy, uma EduTech 4.0 com ênfase em sonorização.

    11 replies to "Som alto em igrejas, um guia para resolver este problema"

    • Avatar Juliane

      Muito maravilhosa tal proposta. Porém, eu faria uma correção quanto ao número 1 dos motivos do desconforto sonoro nas igrejas: uma cultura má. Pessoas não têm zelo com sua audição em suas vidas pessoais, sentem prazer na vibração e potência do volume alto, então passam isso para o ambiente público. Uma forma até de desamor com a saúde auditiva de todos ali. Inclusive criança. Que podem, vejam o absurdo, ter sérias e permanentes consequências comportamentais, auditivas, psicológicas etc. em razão disso. Sem falar na terrível constatação de se perceber com dor de cabeça porque foi à casa de Deus. Triste isso.
      Que o Senhor nos transforme integralmente pela renovação do entendimento. Cristãos integrais.

    • Avatar Marlucio

      Prezado irmão Cadu,

      Apreciei muitíssimo seu artigo pois me considero uma vítima desse “mal” praticado
      quase que de forma generalizada, nas igrejas que visito, que parecem não saber respeitar os ouvidos alheios.

      Infelizmente ou estou quase sendo forçado a ser um desigrejado porque não consigo assistir um culto sem que o nível de aborrecimento atingido não ultrapasse o nível desejado de bem estar espiritual por estar na Casa de Deus.

      Li, certa feita, na Revista Ultimato, uma pequena nota a qual transcrevo:

      “Os cientistas dizem que qualquer som acima de 65 decibéis provoca um estresse gradativo. O máximo que o ouvido humano pode tolerar sem desconforto são 80 decibéis. O canto do galo ultrapassa o limite da tolerância em 5 decibéis. Mas certamente não foi o som alto do canto do galo que desmantelou Pedro e o fez chorar amargamente. Foi, sim, a tremenda coincidência entre a sua tríplice negação e o canto do galo. Esse som de 85 decibéis chamou a atenção de Pedro para a sua tremenda auto-segurança de que não negaria ao Senhor, mesmo que os outros discípulos o fizessem. Jesus também ouviu o galo e olhou para Pedro.”

      Fico imaginando qual seria a reação de Jesus se nos dias hodiernos lhe oferecessem um microfone e caixas de som de um zilhão de Watts para falar aos 5000 homens e provavelmente outro tanto de mulheres e crianças, aos quais ele transmitiu sua mensagem sem a utilização dessas modernidades… Acho que em sua sapiência ele saberia utilizar os benefícios do desenvolvimento tecnológico sem agredir a saúde de seus ouvintes…

    • Avatar Gabriel

      Gostaria de esclarecer algumas dúvidas , pois na igreja aonde congrego iremos instalar uma
      Nova aparelhagem
      De som , e gostaria de obter algumas instruções , se puder me chamar no WhatsApp 11 98200-1738

    • Avatar mauricio reynaldo

      Gostei muito do artigo. Minha igreja tem problema de som alto.
      É possível compartilhar esse artigo?

      Obrigado

      Maurício Reynaldo

      • IPP IPP

        Opa sim sim!

    • […] Fonte: PIB Pinheiros […]

    • […] com nosso grupo? Como temos cantado? Para receber os elogios de um trabalho bem feito? Para “ser a melhor banda” da […]

    • Avatar Eliana

      Parabéns pelo artigo. É importante estar falando sobre esse assunto pois, como disse o Marlucio em um dos comentários acima, infelizmente o som alto nas igrejas é um “mal” praticado quase que de forma generalizada nas mesmas. aliado aos motivos já citados no artigo, acrescentaria a falta de educação e amor com o próximo. No meu caso, por exemplo, me tira a concentração. O volume alto é maléfico à saúde auditiva e nem todos são obrigados a ouvir som acima do tolerado. Em lugar público tem de haver equilíbrio. Com tristeza ver que nas igrejas hoje, em sua maioria, isso vem crescndo. Que haja bom senso dos irmãos que operam o som.

    • […] adianta muito o arranjo ser de qualidade se o projeto de sonorização de sua Igreja estiver mau elaborado. Quando falamos de sonorização falamos dos equipamentos […]

    • Avatar osvaldomota77@gmail.com

      Viu, Kadu; quando tiver muito me chame que resolvo. A acústica é a base de todo equilíbrio de frequências dentro de um ambiente.

      • Avatar Osvaldo Mota

        ..corrigindo muito barulho…

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.