A doutrina Bíblica da soberania de Deus ensina que tudo acontece em toda a criação, natural ou espiritual, faz parte de um plano estabelecido por Deus. Ele faz todas as coisas de acordo com o conselho da sua vontade (Ef 1.11). A Teologia Reformada chama esta doutrina de Os Decretos Divinos. Luiz Berkhof diz que “o decreto de Deus é o seu plano ou propósito eterno, no qual preordenou todas as coisas que acontecem”. Os decretos de Deus possuem seis características: baseia-se na sabedoria divina, são eternos, eficazes, imutáveis, incondicionais e totalmente abrangentes.

Há três tipos de decretos de Deus: eleição, reprovação e permissão.

E eles estão relacionados a nossa vida de oração ou com as respostas que recebemos de Deus.
A Carta da Esperança (Jr 29.1-23). O povo de Israel estava cativo na Babilônia. E o cativeiro era uma disciplina de Deus. A duração do cativeiro seria de 70 anos (Jr 29.10). O profeta Jeremias, em nome de Deus, escreve uma carta para os judeus deportados. O objetivo da carta era transmitir uma mensagem de esperança.
Orando até Deus agir. É interessante observar que Deus convoca o seu povo para orar (Jr 29.11-14). Mas se tudo já está determinado ou pensado por Deus, porque eu vou orar? A oração muda os planos de Deus para a minha vida? Como devo encarar o futuro?

Vamos analisar o texto básico e identificar algumas lições.

Primeiramente, só Deus conhece o nosso futuro. Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor (v11). Eu é que sei, isto é, ninguém sabe. Só Deus conhece o meu futuro. Somente Ele sabe o que me acontecerá. Somente Deus é onisciente (Sl 33.13-15). Ninguém conhece o seu futuro e jamais poderá conhecer o futuro do seu irmão.

Em segundo lugar, só Deus planejou o nosso futuro. “Tenho pensamento a respeito de vocês”. A palavra pensamentos aponta para planos, os projetos e a vontade de Deus para nós. O profeta Miquéias testemunha: “Mas não sabem os pensamentos do Senhor, nem lhe entendem o plano que os ajuntou como feixes na eira.” (Mq 4.12). O patriarca Jó ensina: “O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do Senhor”. (Pv 16.1). Deus declara: “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais.”

Qual a natureza ou a qualidade dos pensamentos de Deus a nosso respeito?

São pensamentos exclusivos: Deus pensa diferente de nós por causa da natureza de sua pessoa e dos seus objetivos para nós. Ele é Deus (Is 55.8)
São pensamentos profundos: Os pensamentos de Deus são profundos e inescrutáveis (Rm 11.33-36. Só podemos conhecer o que Deus pensa por meio da sua revelação escrita.
São pensamentos de paz: A palavra paz significa bem-estar social e individual, muito mais do que ausência de guerra. Jesus é a verdadeira paz (João 14.27). A Paz é uma dádiva pessoal, sobrenatural, incomparável, interior, tranquilizadora e encorajadora.
São pensamentos agradáveis: Para vos dar o fim que desejais. (29.11). Deus planejou um futuro agradável para cada um. O fim que desejais pode ser entendido como “um futuro e uma esperança”. O desejo do nosso coração está na memória de Deus ou no computador divino (Is 26.8). A bíblia está cheia de exemplos de pessoas que tiveram os seus desejos satisfeitos: Sl 21.2; 2Cr 1.11-12.

E por fim, só Deus pode mudar o meu futuro.

Deus pensa e planeja o meu futuro e diz para mim: Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei (Jr 29.12). Ora, se Deus já planejou tudo, qual o valor da minha oração? (1Jo 5.14-15. É através da oração que podemos conhecer a vontade de Deus. Quando oramos, Deus nos instrui. Não sabemos o que é melhor para nós. Quando eu oro ao Deus que pensa em mim e quer o melhor para minha vida, eu estou me dispondo a receber a sua interferência nos meus planos pessoais (Jr 29.14). Observe que Deus coloca a oração como um meio para transformação da nossa sorte. Quando eu oro, Deus revela os seus planos para mim. Maria teve uma experiência maravilhosa: (Lc 1.38). Deus usou Maria e quer usar a cada um. Sendo assim, podemos saber que: Deus usa pessoas que querem fazer Sua vontade; Deus usa pessoas que decidem pagar o preço; Deus usa pessoas que ousam confiar nas Suas promessas.

Concluindo, o que vai acontecer conosco amanhã ou daqui à uma hora? Ninguém sabe! Não importa o que diz o especialista, os adivinhos ou os prognosticadores. O futuro é um desconhecido para qualquer ser humano! A Bíblia diz: Não te glories do dia de amanhã, porque não sabes o que trará à luz (Pv 27.1). Somente Deus conhece o nosso futuro. Ele é grande administrador da história e da nossa vida. Ele nos deu a oração como um meio para conhecermos e fazermos a sua vontade. A doutrina dos decretos de Deus nos impulsiona a orar.

 

Rev. Arival Dias Casimiro

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário