Pastorais

ENCORAJADOS A SANTIFICAÇÃO

Ficamos assustados com a quantidade de pessoas hoje, que se diz evangélica, mas não apresenta uma vida de santidade. Pessoas que se apresentam como crentes, mas continuam negando a fé, pelo seu comportamento. Pessoas que estão na igreja e que não mostram sinais de arrependimento, mudança de vida e de atitudes.

O evangelho de Deus é a boa nova do arrependimento e da mudança de vida. Onde Jesus habita, produz transformação. Todo aquele que é nascido de Deus busca uma vida de santificação e vive inconformado com o pecado. Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois, o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus (1Jo 3.9). O verdadeiro crente é alguém inconformado com a sua natureza pecaminosa. Ele vive lutando para não pecar.

A bíblia ensina que a santificação consiste de duas partes: a mortificação do velho homem e a vivificação do novo homem. Trata-se de uma luta para abandonar os hábitos e procedimentos da vida antes da conversão, e a assimilação e pratica de novos hábitos. Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria; por estas coisas é que vem a ira de Deus (sobre os filhos da desobediência]. Ora, nessas mesmas coisas andastes vós também, noutro tempo, quando vivíeis nelas. Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar. Não mintais uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho homem com os seus feitos e vos revestistes do novo homem que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou (Cl 3.5-10). Paulo fala da santificação como uma mudança de hábitos e de comportamento: “isto, portanto, digo e no Senhor testifico que não mais andeis como também andam os gentios” (Ef 4.17). Precisamos nos despojar do velho homem e nos revestir do novo homem (Ef 4.22-24). Em síntese, santificação é andar de acordo com a nossa nova natureza. É abandonar o estilo de vida que tínhamos antes da nossa conversão e andar em novidade de vida.

A ideia fundamental de santificação é a de separação. O povo de Deus é um povo separado do mundo, para viver no mundo, servindo a Deus. L. Berkhof define a santificação como “a graciosa e contínua operação do Espírito Santo pela qual Ele liberta o pecador justificando da corrupção do pecado, renova toda a sua natureza à imagem de Deus, e o capacita a praticar boas obras”.

A santificação, portanto, tem dois aspectos. Primeiro, a santificação posicional, isto é, aquilo que somos diante de Deus, pelo fato de estamos em Cristo Jesus. Após a nossa conversão nos tornamos filhos de Deus. Apesar dos nossos defeitos, somos “santos e amados” por Deus (Ef 1.1). Segundo, a santificação experimental, isto é, o processo de santificação quando vamos deixando as práticas pecaminosas e nos consagrando a Deus. Fomos salvos para buscar uma vida de santificação. À lgreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso (1Co 1.2). Fomos chamados por Deus para sermos santos.

A santificação é uma obra sobrenatural de Deus na vida do cristão, como resultado da sua união com Cristo. Alguns fatos sobre a santificação: Fomos santificados em Cristo Jesus (1Co 1.30). Somos santificados pela Palavra de Deus (Jo 17.17). Somos santificados pelo sangue de Jesus (Hb 10.10). Somos santificados pela fé (At 26.18). Somos santificados pelo Espírito (2Ts 2.13).

A santificação é uma obra que requer a nossa cooperação. O cristão coopera com a sua santificação quando se utiliza dos meios que Deus lhe oferece: a oração, a Palavra de Deus e os sacramentos (batismo e santa ceia). Precisamos orar, estudar e praticar a bíblia. Necessitamos fugir das tentações, das más companhias e dos ambientes que nos estimulam a pecar. Precisamos buscar o poder do Espírito Santo: E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito (Ef 5.18). Somente na força do Espírito, permaneceremos de pé.

 

Busquemos, pois, a santificação. Ela é indispensável para o nosso relacionamento com Deus e com as pessoas. Lembre-se do recado do apóstolo Paulo: Porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação. Dessarte, quem rejeita estas coisas não rejeita o homem, e sim a Deus, que também vos dá o seu Espirito Santo (1Ts 4.7-8). Não despreze a santificação.

 

Rev. Arival Dias Casimiro