Pastorais

A gratidão é o segredo para uma vida feliz. Albert Schweitzer chamava a gratidão de “o segredo da vida”. Certa vez, ele disse: “o mais importante é ser grato por tudo. Quem aprendeu isso, sabe o que significa viver. Compreendeu todo o mistério da vida: ser grato”. A gratidão é importante para a sobrevivência da sociedade. George Simmel disse: “A gratidão é a memória moral da humanidade. Se todo ato de gratidão fosse subitamente eliminado, a sociedade se desintegraria”. Nós precisamos de gratidão para viver em sociedade.

O apóstolo Paulo foi alguém que aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação, e um dos segredos do seu contentamento era a gratidão: “Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (1Ts 5:18).

Devemos achar razão para agradecer a Deus em qualquer situação em que nos acharmos, em todo tempo. Deus quer que o Seu povo seja feliz, embora a Sua vontade para ele possa incluir dificuldades, sofrimentos e provações. John Baille diz: “O verdadeiro cristão é aquele que nunca se esquece, nem por um momento, do que Deus fez por ele em Cristo, e cujos comportamentos e atos se originam do sentimento e gratidão”.

A gratidão é um sinal da verdadeira espiritualidade. Nesse sentido, os resultados de uma pesquisa feita pelo Dr. Robert A. Emmons (2006), na Universidade da Califórnia, na década de 1990, nos Estados Unidos, apontam a importância da gratidão para a nossa felicidade. Veja abaixo algumas conclusões dessa pesquisa do Dr. Emmons:

A gratidão é agradável e dá prazer. Quando somos gratos, nós admitimos que há bondade em nossa vida. A gratidão nos conscientiza que somos alvos da bondade de Deus e de outras pessoas. Observamos que, apesar dos contratempos, a vida é boa e vale a pena ser vivida.

A ingratidão gera depressão. Em vários estudos, a depressão demostrou estar intensamente relacionada com a ingratidão. Quanto mais a pessoa é grata, menos deprimida ela fica. Logo, manter um diário de gratidões (contar as bênçãos recebidas) ajuda a pessoa a dormir melhor e a ter mais energia no dia a dia. A gratidão faz bem à saúde física, emocional e espiritual.

O consumismo alimenta a ingratidão e a insatisfação. Pessoas gratas são capazes de tirar a máxima satisfação da vida e dos bens materiais que possuem. O ingrato sempre reclama e nunca está satisfeito com o que tem.

A gratidão torna a pessoa mais atraente e uma melhor companhia. Quem pratica a gratidão é mais feliz e menos solitária. A gratidão fortalece os laços de amizade. A gratidão nos permite dar e receber bondade.

A gratidão melhora o casamento ou as relações conjugais. Segundo John Gottman, psicólogo especializado em relações conjugais, “o exercício de dar graças” é um dos princípios para fazer o casamento dar certo. Os casamentos turbulentos são caracterizados por maior contagem de queixas que de bênçãos. Cônjuges que expressam gratidão um ao outro, melhoram a relação conjugal.

Então, como você anda? Pense na última vez que você se sentiu grato… Que tipos de sentimentos você experimentou? É improvável que a gratidão o faça se sentir “oprimidos” ou “triste”.

Edward Arlington Robson disse: “há dois tipos de gratidão: a súbita, que sentimos quando recebemos; e a maior, que sentimos pelo que damos”. Logo, se desejamos experimentar a maior gratidão, nós precisamos nos engajar no serviço a Deus e ao próximo. Precisamos nos doar.

 

Rev. Arival Dias Casimiro

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário